RENUNCIAR É PRECISO !

Meu Blog de Devaneios.

"My Love My Life"
"Voarei sem asas se preciso for para te acompanhar

Vale quanto pesa!

Leitores & Amigos

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

O MENDIGO, A ROSA E A CRUZ *Conto*







O cemitério de Serrana ficava no alto de uma colina que o povo batizara de “ Boa Vista”. Daquele outeiro era possível ver toda a cidade, e, simbolicamente, poder-se-ia dizer que dali os mortos vigiavam os vivos. Era um cemitério antigo e havia sepulturas que datavam de 1800 e pouco. O coveiro Eusébio informava que não se sabia os nomes dos que ali jaziam, e os registros daqueles primeiros anos haviam mofado num armário antigo ou sido devorados pelas traças.. Ele, como seu colega Afonso, não se lembrava de que nos 40 anos que ali trabalhavam, viesse alguém visitar aqueles túmulos. Como eram perpétuos, não se podia desmanchá-los para que outros corpos fossem sepultados. Agora, não passavam de enigmáticos marcos, porque, com a passagem dos anos, nada mais restava nos seus interiores senão o pó; mas nem isto poderia ser verificado. Despertava curiosidade o túmulo que ficava na entrada, à direita do cemitério. Nada havia sido gravado na pedra; nenhum nome e nenhuma data. Anônimo. Por qual razão fora construído desta maneira? Era um mistério.

Diz-se que a morte nivela a todos. Mentira! Naquele cemitério, como em outros das cidades vizinhas, os mortos das famílias abastadas eram sepultados em túmulos artisticamente construídos. O material usado era do melhor mármore e argolas de um metal nobre adornavam aquelas moradas onde não faltavam inscrições extraídas da Bíblia e as datas de nascimento, marcadas por uma estrela, e as da morte, por uma cruz. Além deste cuidado, um Anjo com asas abertas, encimava o túmulo e sugeria que estava pronto para levar o morto para o céu. Eram pequenas capelas, com portas de ferro e cadeados. Naqueles anos o cemitério ainda era considerado um campo santo, e os ladrões não violavam os túmulos para tirar dentes de ouro da boca dos mortos, como ficou costumeiro nos tristes anos de fim do século XX.

Os coveiros, Eusébio e Afonso, haviam se acostumado com o trabalho. Na hora do almoço não mais lavavam as mãos, mesmo que estivessem abrindo uma cova e jogado os ossos de uma cova vencida no ossuário comum. Tornaram-se tão íntimos com a morte que não mais a temiam, e muito menos, experimentavam algum sentimento quando “plantavam” – era a gíria que usavam – uma criança, um jovem ou um velho. Suas fisionomias eram máscaras inexpressivas, enquanto olhavam os parentes do morto e colocavam as grossas cordas para fazer descer o caixão na cova de sete palmos ou empurrá-lo para dentro da gaveta de um túmulo. Se o morto era de família abastada, recebiam uma gorjeta pelo cuidado com que tratavam o caixão. Depois que estavam sozinhos completavam o serviço jogando, vigorosamente, pás de terra e cal sobre o caixão , e , rindo, galhofavam um para o outro : “Vai irmão ! Deus ou o Diabo te esperam do outro lado, mas fique aí plantado. A terra é boa e a cal vai te comer mais depressa.”

Mas a cal só era usada para os defuntos cuja família davam um agrado aos coveiros. Os indigentes e os mendigos eram cobertos apenas pela terra. Afonso e Eusébio haviam reservado as duas últimas horas da tarde para os mortos indigentes que vinham do Hospital “Dom Felício Roxo”, conduzidos, a toda pressa, no coche fúnebre do preto Malachias. Parecia que ele fazia questão de alarmar a cidade quando vinha do hospital, com os seus quatro cavalos fogosos, que disparavam sob o seu chicote pela avenida da Água Limpa, passavam velozmente pela rua do Divino, circundavam o jardim e subiam a rua do cemitério. Malachias, não se sabe se, de caso pensado ou por desleixo, não amarrava direito o caixão no fundo do carro fúnebre e o morto, na sua última viagem, ia aos trancos e barrancos, com o caixão pulando para o espanto dos serranenses.

O relógio da Matriz já batera as cinco horas e o Malachias ainda não chegara ao cemitério. Isto incomodou os coveiros que gostavam de sair pontualmente às seis horas. Já haviam aberto uma cova para um mendigo e fumavam um cigarrinho enquanto esperavam o último serviço da tarde. Naquele dia estavam exaustos, pois há mais de uma semana preparavam o cemitério para o dia de Finados que seria no dia seguinte. Túmulos haviam sido caiados; flores e árvores devidamente podadas ; enfim, o cemitério parecia um jardim. Quando menos esperavam, o coche do Malachias apontou no portão de entrada e rapidamente ganhou a rua principal do cemitério em direção aos coveiros.

- Eu pensei que Você não viesse hoje! Disse Eusébio.

- Foi o doutor Jeová que me atrasou, Eusébio. Hoje eu tou trazendo pra vocês o “Pé de Chinelo”, aquele mendigo que dormia na estação e que foi encontrado morto nesta manhã. O médico não queria liberar o corpo sem primeiro saber qual era a causa do passamento. Depois de conversar com o Dr. Ulysses resolveu dar o laudo e eu li que foi o coração que matou o pobre coitado.

- Ta bão ! Vamos logo Afonso. Malachias, você trouxe o lençol para enrolar o corpo ?

- Ele já está enroladinho, e, como das outras vezes, o caixão vai voltar. Lá no hospital tem mais uns indigentes que vão precisar dele quando “baterem as botas”

Em menos de meia hora os coveiros já haviam sepultado o “Pé de Chinelo”.Com dois pedaços de sarrafo improvisaram uma cruz e sobre a mesma escreveram o número 33, que passou a ser, no livro de registros, o número da cova do mendigo. Enquanto trabalhavam, trocaram idéias sobre o morto. Ninguém tivera a curiosidade de perguntar-lhe pelo nome. Por causa de um chinelo velho que arrastava, deram-lhe aquele apelido que virou nome. Fora despachado no trem de Ponte Nova com passagem até Serrana. Havia desembarcado há mais de três anos. Sua idade era indefinida e vivia, de porta em porta, nas horas do almoço e do jantar, com uma cuia na mão, pedindo “Pelo amor de Deus”, um prato de comida. Ninguém lhe negava o que comer. Em Serrana somente o Caburé, jardineiro da Praça 28 de Setembro, não gostava dele. “Pé de Chinelo” tinha o costume de todas as tardes, antes da Ave-Maria, roubar uma rosa do Jardim e levá-la até à imagem de Nossa Senhora das Graças e deposita-la junto aos seus pés. Em seguida, de joelhos, rezava num velho terço, os mistérios da vida de Nosso Senhor Jesus Cristo. Era sua fé. Pe. Solindo apreciava o mendigo e quando passava ao seu lado dava-lhe um carinhoso abraço. Depois do terço, “Pé de Chinelo” saia da Matriz, rindo e falando sozinho: “. Hoje, eu falei com a minha Mãe. Ela me ouviu.” e tomava o rumo da estação da Leopoldina Railway onde dormia, num canto, envolto em sacos de linhagem. Apesar da miséria em que vivia, da sua solidão, mantinha um sorriso de quase alegria e seus olhos verdes exprimiam um conformismo que era mais expressão de uma grande paz na alma. Ninguém o temia, e as crianças adoravam ouvir suas histórias quando ele se assentava num dos bancos do jardim. Eram histórias de fadas, princesas e cavaleiros. Dizia, e as crianças acreditavam que havia vivido naqueles tempos e fizera parte da corte do Rei Arthur na lendária cidade de Camelot. Descrevia como era a vida na corte e que seu nome verdadeiro era Sir Gawain. Acrescentava, com entusiasmo, que fizera parte dos cavaleiros que buscaram o Santo Cálice – o Santo Graal – onde estava recolhido o sangue que Cristo derramara da cruz. Como se acovardou em acompanhar seus pares recebeu, de um monge, uma maldição.

Ele foi condenado a vagar pelo mundo, sem morrer, e condenado a permanecer três anos em cada cidade até que Nossa Senhora, a Rosa Mística, o perdoasse, e só então encontraria a paz e morreria.

Quando as crianças contavam aos pais aquela história eles riam e diziam “O Pé de Chinelo está caducando. Ele deve ter lido a história do Rei Arthur e seus Cavaleiros da Távola Redonda, e , agora, na sua fantasia doentia a confunde com a sua vida. Já ouvimos dizer que ele é um doido manso que fugiu do Hospício de Barbacena.” Era isto que se dizia daquele mendigo.

Os hospício

coveiros olharam para o céu que mostrava nuvens escuras anunciando uma chuva forte.Terminaram o serviço batendo, com força, as pás sobre a terra para que uma possível enxurrada não abrisse buracos na cova. Malachias, Eusébio e Afonso deixaram o cemitério às pressas, pois a tempestade que estava se armando pelos lados da Serra da Ventania era certeira.

Sem encomendação, sem caixão e sem uma flor sequer, o mendigo, cujo nome ninguém sabia, foi sepultado, naquele 1 de novembro de 1942, dia de Todos os Santos, véspera do Finados, na cova número 33

Por volta das oito horas da noite o céu de Serrana escureceu, e uma chuva torrencial, acompanhada de ventos fortes e de raios que caiam aqui e ali, deixou a cidade mergulhada na escuridão depois que um raio atingiu o transformador da Companhia de Força e Luz. Em cada casa, velas e lampiões foram acesos; e orações saíram de bocas temerosas pedindo a Santo Antônio que acalmasse a fúria dos elementos. Quando era alta madrugada a tempestade amainou, mas a cidade continuou mergulhada nas trevas até que o dia amanhecesse. Era Finados. Receando os danos que a chuva teria causado, os dois coveiros dirigiram-se mais cedo para o cemitério. Às oito horas começariam as visitas aos mortos e esperava-se que centenas de pessoas fossem levar as flores da saudade aos túmulos de pais, irmãos, esposos, parentes e amigos. Eusébio e Afonso temiam, sobretudo, que as enxurradas houvessem removido a terra nas covas rasas dos indigentes sepultados nos últimos dias. Logo que abriram o pesado portão do campo-santo foram direto olhar a cova onde haviam sepultado “Pé de Chinelo”. Estupefatos não acreditavam no que os seus olhos observavam. A enxurrada não havia passado sobre aquela cova rasa e junto à cruz improvisada nascera, durante a noite, uma planta que já havia crescido uns dez centímetros. Primeiro, acharam que alguém fizera uma brincadeira no dia anterior e que a planta estava simplesmente fincada na terra e que a um leve puxão se desprenderia. Tentaram isto. Surpresos ficaram porque a plantinha mostrava que estava enraizada e

não fincada, como pensaram. Perguntavam –se :

- O que isto significa ? Que planta é esta que brotou durante a noite?

Eusébio tomou a iniciativa de ir até o Jardim da Praça e chamar o Caburé para dar uma olhada naquele fenômeno. Não contariam, por enquanto, a ninguém. Era hora de abrir o portão do cemitério para as visitas de Finados. Um grupo de pessoas já estava à espera do lado de fora. Eusébio abriu o portão e recomendou para que não pisassem sobre os túmulos e sempre caminhassem nas ruas internas. Dito isto foi saindo em direção ao Jardim para chamar o Caburé. Caburé veio logo e dirigiu-se à cova 33. Tirou um pito do bolso e, agachado, foi examinando a curiosa plantinha. Tocou-a, cuidadosamente, com os dedos e afirmou que era um tipo de roseira. A presença do Caburé chamou a atenção de alguns visitantes que se agruparam em torno da cova. Falastrão que era, Caburé não guardou segredo e perguntou se alguém sabia de algum tipo de roseira que havia nascido e crescido da noite para o dia ? Ninguém sabia. A notícia espalhou-se incontinente e mais e mais pessoas foram se juntando em torno da cova. Os coveiros, temerosos que alguém pisasse naquela plantinha ou afundasse os sapatos na terra , resolveram construir, às pressas, um cercado em torno da cova. De tarde, toda Serrana sabia do misterioso fenômeno que acontecera com o nascimento de uma roseira na sepultura do “Pé de Chinelo”. O pároco, o juiz de direito, o delegado, o prefeito e os vereadores haviam subido até o Cemitério “São João Batista” para inspecionarem , “in loco” , o fenômeno. Se curiosos haviam subido, estupefatos e com algum sentimento de culpa haviam descido para suas casas. Por iniciativa do delegado resolveu-se que dois praças iriam vigiar aquela cova durante aquela noite e as seguintes. O que mais poderia acontecer? Vagarosa e inexplicavelmente a roseira continuava a crescer apoiada no eixo da cruz de sarrafo. Sem autorização do padre, algumas beatas começaram a rezar junto à cova rasa e ensaiavam um murmúrio: “São Pé de Chinelo, rogai por nós!” A crendice popular, frente ao mistério e ao inexplicável, estava canonizando o mendigo que, em vida, só fora ouvido pelas crianças. No décimo dia, veio, da Escola Superior de Agronomia de Viçosa, um botânico para estudar o fenômeno. Ele confirmou que era uma roseira e ninguém colocou em dúvida a classificação que o professor Warwick Volf Rosenstraten fez da roseira, pois era um roseirista reconhecido em todo mundo. Tratava-se, sem dúvida alguma, de uma R. spinosissima, natural da Escócia e que produzia uma flor branca ou amarela , dependendo do terreno onde era cultivada. Caburé, que acompanhava a explicação do professor, ficou mais espantado porque informou que em Serrana, em nenhum jardim, havia alguém cultivado aquela espécie. O professor Warwick voltou para Viçosa sem poder explicar porque ela nascera naquele lugar e crescia tão rapidamente.

O mistério entrou no seu décimo oitavo dia, e, naquele dia, uma surpresa e um espanto a mais vieram se juntar e deixar mais desassossegados os serranenses. Uma rosa branca havia desabrochado e estava apoiada no centro da cruz. O fato trouxe mais crentes ao cercado da cova e entre orações e pedidos de graças, alguém lembrou que “Pé de Chinelo” era um fiel do terço e que levava, todas as tardes, uma rosa à imagem de Nossa Senhora.

Um estranho à cidade, onde todo mundo se conhecia, se juntou à considerável multidão. Havia chegado pelo trem Expresso, possivelmente do Rio de Janeiro, e especulava-se que fora visitar o túmulo de algum parente morto, fora do Dia de Finados. Era um homem alto, rigorosamente trajado de preto, dos seus 50 anos, que revelava no olhar e no andar uma autoridade peculiar. Ouviu os comentários dos crentes e como se esperasse, foi interrogado por alguém :

- O senhor, que não é daqui. O que acha disto tudo? Quem era o “Pé de Chinelo”? Demorando um pouco a responder, enquanto olhava, profundamente, os circunstantes, o estranho respondeu:

- Para vocês eu gostaria de esclarecer algumas coisas. Primeiro, ele não era um pé de chinelo. Na época em que o Rei Arthur, da Inglaterra, constituiu a sua Távola Redonda e sagrou os seus cavaleiros, era privilégio do cavaleiro oferecer uma rosa à sua Rainha e Àquela que é chamada de Rainha da Rosa Mística, a Mãe de Jesus. O cerimonial era bonito e inspirador. Mostrando que estava abaixo da Rainha dos Céus, a rainha depositava, em seguida, as rosas que lhe haviam sido ofertadas, aos pés da Senhora. Os cavaleiros que cumpriam esta bela e suave obrigação da Cavalaria ficaram conhecidos como Cavaleiros da Rosa e da Cruz. Hoje, contemplando esta linda rosa branca apoiada nesta cruz,e baseado nos meus estudos esotéricos, eu só posso deduzir que aquele que está aqui sepultado não é um santo. Era um cavaleiro que viajou muitos séculos sem encontrar na morte o descanso desejado. Cumpria uma pena que lhe foi imposta. Aqui, em Serrana, ele alcançou, finalmente, o perdão da sua Senhora e do seu Filho. Era um Cavaleiro da Rosa e da Cruz. “

Após aquela explicação reinou um profundo e grande silêncio entre as pessoas que o ouviam. Imediatamente, os circundantes abriram uma fileira e o estranho foi se afastando daquele grupo, sem a ninguém olhar e despedir, até desaparecer ao cruzar o portão do campo santo. Alguns populares tentaram ir atrás daquele estranho personagem e saíram,às pressas, à sua procura, pois desejavam fazer-lhe muitas perguntas. Na rua, olharam para todos os lados, mas não mais o avistaram. Até hoje, passados mais de sessenta anos, os velhos contam aos jovens esta estranha história. Alguns acreditam, outros, não!

Uma última surpresa estava reservada aos serranenses no ano 2.000. Quando passou o tempo legal de permanência do corpo na terra, e estima-se que pouco resta e os ossos são destinados ao ossuário comum, a cova de número 33 foi aberta para receber outro corpo. Nada foi encontrado! Nenhum osso, nenhum fio de cabelo, nada, absolutamente nada, que indicasse que ali estivera sepultado alguém. Com um misto de respeito e temor o coveiro cobriu de terra aquela cova rosa e tornou a fincar uma cruz de madeira com o número 33. Ela não receberia nenhum corpo enquanto existisse aquele cemitério em Serrana. O novo coveiro, o Eusebinho, filho de Eusébio, ficou a olhar aquela cova vazia e pensou que o número 33 correspondia à idade de Jesus Cristo, o Único Ressuscitado entre os mortos, ou será quê ?… Não quis completar o que conjecturava. O sino da Matriz batia as 6 horas da tarde e o sol já desaparecia nos altos da Serra de São Geraldo. Eusebinho podia vê-lo na sua variação de cores que dava ao entardecer um colorido todo especial e projetava a sombra de um cruzeiro, que existia na entrada do cemitério,sobre alguns túmulos. Era hora de deixar seu trabalho. Da cidade não vinha mais o ruído costumeiro dos automóveis e nem os apitos das usinas de açúcar anunciando a mudança de turnos. Serrana preparava-se para a noite que chegava e o repouso que prometia do trabalho do dia. Como fazia todas as tardes, ao fechar o pesado e imponente portão, ele fez o sinal da cruz, olhou mais uma vez para o interior do campo santo e disse: “ Descansem em Paz.! “

Entry Filed under: Uncategorized. .
Fonte do texto e Imagem
http://ribalmeida33.wordpress.com/2010/05/09/o-mendigo-a-rosa-e-a-cruz-um-conto-para-o-final-de-semana/

Marcadores

―Clarice Lispector (1) : Decepção (2) . (Marla de Queiroz) (1) (Tati Bernardi) (4) *por acaso* (1) ♡ Reverência ao destino ♡ (1) 100 Palavras (3) 100Timentos (1) 123º Aniversário de Fernando Pessoa - O poeta de vários desdobramentos (1) 1ª parte (1) 7 erros na busca de um novo amor (1) A Chave (1) A ÁGUA (1) A amizade (1) A âncora (1) A Caridade Começa em Casa. web Mensagens (1) A catadora de vidro (1) A cicatriz Adélia Prado (1) A COBRA (1) A Importancia do perdão. (1) A lição da convivência (1) A MAIS BELA FLOR Web Mensagens (1) A Marca de Amor (1) A miséria do meu ser Web Mensagens (1) A Ostra e A Pérola (1) A Paixão da nossa Alma Web Mensagem (2) A paixão é maravilhosa (1) A Química da Amizade (1) A rosa e a cruz (1) A Solidão é Sempre Fundamento da Liberdad (1) A TPM EM QUATRO FASES (1) A VIDA (1) A vida é. (1) A.T.I.T.U.D.E (1) Abraço D'alma. (2) Acredite no Amor (1) Acrostico de Lucimar (1) Acróstico Aparecida G.telli (1) Acróstico Mary Cely (1) Adele - Rolling in the Deep ( LEGENDADO) (1) Adeus Otimismo web Mensagens (1) afeição companheiro (1) Afinidade (1) África (1) Águia ou Galinha (1) Ai Que Saudade d´Ocê (1) Aki e acolá de Mary cely.Devaneios (1) AlgoImporta (1) Algumas curiosidades da Festa de São João (1) Allax Garcia (1) Alma ferida (1) Alma Gêmea (1) Alonso Rodrigues Pimentel (1) ALTOS E BAIXOS (1) Amar é (2) Amar é uma DECISÃO (1) Amenidades da web Contradições (1) Amenidades da web Hot .dog (1) amenidades da web Vergonha (1) amenidades da web. (2) Amenidades da web. Passo para o perdão (1) Amenidades da Web.Cerca Lourenço (1) Amenidades da web.dissimulada (1) Amenidadesda web.Lilith (1) Amigo Sincero (1) Amigo virtual (1) Amigo Virtual Leticia Thompson (1) Amigos ...e amigos. texto desabafo (1) Amigos E...Amizades. (1) Amigos flores do meu jardim .Mary Cely (1) amizade (1) Amizade Caio Fernando Abreu (1) Amizade Leticia Thompsom (1) Amizade Mary Cely Texto pessoal (1) Amizade Traição e Valores (1) Amizade verdadeira (1) AMIZADE Web Mensagens (1) Amizades (1) Amor (1) Amor – Poema de Fernando Pessoa (1) Amor e saudade (1) Amor é sentimento; paixão é emoção. O amor liberta (1) Amor em fragmentos (1) Amor Eterno Poema de Mary Cely (1) Amor Maldito Rejane Camargo (1) Amor Mensagens (1) Amor que Fortalece (1) Amor sem dor (1) Amor&Romance (1) Ana Jácomo (3) AnaJácomo (1) Andréa Beheregaray (1) anjo caido (1) Anjos em terra. (1) Anjos Tristes Anna Müller (1) Antoine de Saint-Exupery (1) APENAS AMAR NÃO BASTA (1) Apenas os Outros (1) APENAS PORQUE EXISTES Web Poemas (1) Aprende Menina Caio Fernando Abreu (1) Artur da Távola Mensagens (1) As aves Almas e Metáfora Poéticas (1) As Estrelas e presença (1) As mulheres são verdes Web mensagens (1) As Vezes (1) Asas de Colibrí Soneto de Mary Cely (1) Assim eu vejo a vida (1) aTe nUnCa MaIS PREFEITO (1) Atração (1) Augusto Branco (1) Augusto Cury (1) Ausência (1) Auto retrato (1) Autopsicografia Fernando Pessoa (1) Aves raras (1) Bahia (1) Bahia de Feira de Santana Campeão (1) Bem a minha cara (1) Bertolt Brecht (1) Boas Festas à todos (1) Boas Festas. (1) Bom dia (1) Borboleta Azul Web mensagens (1) Borboletas Mário Quintana (1) Borboletas poema de Mary Cely (1) Caçadores da Felicidade Web Mensagens (1) Cáh Morandi (3) Caio Augusto Leite (1) Caio F. Abreu (1) Caio Fernando Abreu (21) Caio Fernando Abreu Pensamentos (1) Caio Fernando Abreu pensamentos II (1) Caio Fernando de Abreu (1) Camila Heloise (1) Caminhando texto de Mary cely (1) caminhos de Luz Mary cely (1) Canção do dia de sempre Mario Quintana (1) Cancioneiro (1) Carlos Drummond de Andrade (3) Carolina Salcides (1) Carpe Díem. (1) Carta de afago e desabafo (1) Carta de agradecimento Jornalista Cristóvam Aguiar (1) Carta de Célia Macedo a sua mãe. (1) Carta de Hosalina Herai a sua mãe. (1) Carta de Mary Cely Amiga e Alma gêmea. (1) Carta de Mary Cely magoas (1) Casa de Vô (1) Casemiro de Abreu.Simpatia poema (1) caso com o acaso (1) Cátia Azulinha Silva (1) Cecília Meireles (1) Celia Macedo (3) Célia Macedo (3) Charge (1) Charles Bukowski (1) Charles R. Swindoll (1) Chico Anysio (1) Chico xavier (2) Chico Xavier Web Mensagens (1) CHUVA QUE (EN)CANTA Bruno de Paula (1) Chuvas Célia macedo (1) Cinco Minutos Web Mensagens (1) Ciranda de Bruno de Paula (1) Ciranda de Mary Cely (1) Cirandas de Mary Cely (14) Clarice Lispector (7) Coisa Da web (1) Coisa da web Provérbios (1) Coisa de Cearense (1) Com razões (1) Como aproveitar melhor o sexo em diferentes fases da vida (1) COMO CUIDAR BEM DO SEU AMOR... (1) Como encontrar sua Alma gêmea (1) Como me Vêem. Critica de MarY cely (1) Conceitos e preconceitos Poema de Mary Cely (1) Consciência Negra (1) Consciência Negra 20 de novembro (1) Continuar (1) Conto de Marina Colossanti (1) Conto de Mary Cely Um amor virtual (1) Convivencia Mario Quintana (1) Cora Coralina (4) Coração (1) Coração Ferido poema de Adriana Leal (1) Coragem (1) CORAGEM DA CHUVA (1) Corintios 13 - Amor (1) Corriqueira Felicidade (1) Cortar o tempo (1) Cronica (1) Crônica de Célia Macedo (1) Crônica de Mary Cely (25) Cronica de Mary Cely Meus mais puros sentimentos (1) Cronica de Mary Cely Arrependimento (1) Cronicas de Célia Macedo (1) Cuide-se Clarice Linspector (1) Cultura musical.:Carimbó (1) Curiosidades da Web Expressões de um povo I (1) D Casmurro (1) Da infinita solidão (1) Da tortura emocional gratuita. (1) Dalai Lama (1) Dale Carnegie (1) Darcy Ribeiro (1) Decisões (1) Deficiências (1) Deixe ir... (1) Demagogos da vida (1) Depressão (1) Desaprendemos Carpinejar (1) Descaminhos (1) Desejo (1) Desejos de Alma Web Mensagens (1) Desejos de Amigos Mary Cely imagens (1) Desistências (1) desprende (1) destino (1) Detalhes (1) Deus cuida de nós (1) Deusas do cotidiano Sergio vaz (1) Devaneando Ou saudades (1) Devaneios de Avó Mary Cely (1) Devaneios de Mary Cely (Mary Cely) (1) Devaneios de Mary Cely autoria desconhecida (1) Devaneios sem rumo (1) Dia da Mulher (1) Dia do abraço (2) Dia do amigo (1) Dia do blogueiro (1) dia dos pais (1) Dia Mundial da Água. (1) Diamantes não se moldam (1) Diversa (1) diversas :Orgulho (1) Diversas Tempo da onça. (1) Diversas.Segredos (1) Diversidades da Web (1) Dizem po ai... (1) Drummond (1) Duetos Mary Cely e Roberto Leal (1) E bem assim (1) e cirandas de mary cely (1) É dificil (1) E isso aí (1) É Isso Aí (1) É isso aí videos (1) È noite na minha alma (1) É preciso amar direito Web Mensagens (1) É Proibido (1) E se eu te amasse um dia (1) Eduardo Orlando Holopainen (1) Ela é (1) Ela nâo quer dividir o brownie. (1) ELEGÂNCIA NO COMPORTAMENTO Martha medeiros (1) Eleições Serias rssss (1) Em algum Lugar (1) Emergência (1) Emily Dickinson (1) Emoção sem razão (1) Encontre o Caminho web mensagens (2) Escolhas Padre Fabio de Melo (1) Esperança (1) Esperando seu perdão (1) Essas Minhas Sandices (1) Essencial Rubem Alves (1) Eu acredito ainda... (1) Eu gosto (1) Eu Gosto Web Mensagem (1) Eu não acho nada (1) Eu quero falar de Perdão (1) Eu sei como é (a.d) (1) Eu sei Web mensagens (1) euforia (1) Expressões de Um Povo II Morreu Maria Preá (1) Fábio de Melo (1) Faça como os passarinhos (1) Fantasia (1) Faxina da Alma Web mensagens (1) fazer amor Web Mensagens Amor e Perseverança (1) fé Vanessa Leonardi (1) Felicidade (1) Feliz Ano Novo (1) Feliz Idade Mary Cely (1) ferias (1) Fernamdo Pessoa (1) Fernanda de Castro (1) Fernanda Gaona (2) Fernanda Rocha pensamentos (1) Fernando Pessoa (4) Fernando Pessoa Deve chamar tristeza (1) Fernando Pessoa Escrever é esquecer (1) Fernando Pessoa Frases (1) Fernando Pessoa Onde (1) Fernando Pessoa Procure Seus Caminhos (1) Fernando Pessoa Sempre (1) Fernando Pessoa.Encerrando Ciclos (1) ficção (1) Filtr Solar Pedro Bial (1) Filtro Solar - Pedro Bial (1) Florbela Espanca (1) Fora da Asa (1) Frase (1) Frase de Mary Cely lo Amor (1) Frase Sobre Idade (1) Frases da web (1) Frases de Quintana (1) Frases do Pensador (1) Gabito Nunes (3) Gabriela Moraes Texto de Mary cely video de Gabriela Moraes (1) Gi Stadnick (1) Gi Stadnicki (3) Gi Stadnicki Seja Puro (1) Gi Stadnicki. Vida (1) Giselle F. (1) Glória Salles Quero Minhas Asas (1) GOSTO DE PENSAR ASSIM (1) Grata Sempre (1) Gratidão (2) Gratidão com gostinho de saudade.Celia Macedo (1) Gripe xô fora (1) Guardar mágoas traz prejuízos à saúde de nosso corpo (1) Haikais de Mary Cely Borboletas (1) Haikais de Mary Cely Estrela Guia (1) Hoje (2) Homenagem a Nossa Srª (1) Hugo Pena e Gabriel (1) Hum hum (1) Humor (1) Humor baiano Minha terra (1) Humor Piadex (1) II (2) Imagem (1) indiretas (1) Ingratidão (1) Ingratidão tira a afeição (1) Insonia (1) Inveja...coisa tão feia... (1) Inversos (1) Ique Carvalho (1) Ironia do tempo (1) Isso Se Chama Amor (1) Ivan Teorilang (2) JACK KEROUAC: PENSAMENTOS (1) James Greene (1) Janela Com Vista Web Mensagens (1) JARDIM DAS BORBOLETAS (1) Jean Lacerda (1) Jefh Cardoso (1) Jordan Campos (1) Jordana Sampaio (1) Juramento de Amor Eterno... (1) Karlinha Ferreira (1) Ladrão de coração (1) Lágrimas (1) Legião Urbana (1) Lei Seca Fabricio Carpinejar Crônica (1) Leituras (1) Lembranças (1) Leonardo Boff Teólogo e Filósofo (1) Liberdade (2) Ligação do telemarketing (1) Límpido (1) Livros (1) Love (1) Lua Adversa Cecilia Meireles (2) Lua... Luar (1) Luís Fernando Veríssimo (1) Luto (1) Luva de Pelica (1) madalena.blogs (1) Madre Teresa de Calcutá (1) Mágoas (1) Marcella Brafman (1) Mario Quintana (5) Mário Quintana (2) Mario quintana A vida (2) Marla de Queiroz (3) Marta Medeiros Mensagem linda (1) Martha Medeiros (3) Marx e Max (1) Mary Cely (1) mas é ele que me move. Web Mensagens (1) mas é provisória (1) mas não devia (1) Maturidade (1) MEDO DE VIVER SOZINHO (1) Mensagem (28) Mensagem .humildade (1) Mensagem Cosme e Damião (1) mensagem da web (6) Mensagem da Web Valor de um abraço (1) Mensagem de Ano Novo Mary Cely (1) Mensagem de Clarice Lispector (1) Mensagem de Mary Cely (7) Mensagem de Mary Cely Adeus poetisa Mary Cely (1) Mensagem de Mary Cely Desabafo da Alma (1) Mensagem de Mary Cely Possivel e passível (1) Mensagem de Otimismo (1) Mensagem de Otimismo da web (1) Mensagem Despertar da consciencia (1) Mensagem Drumond o eterno (1) Mensagem Humildade x Orgulho (1) Mensagem WEB Pedras Atiradas (1) Mensagen da Web.como medir a dor (1) Mensagens da Net Dia do beijo (1) Mensagens da Web (4) Mensagens da Web Em verdade (1) Mensagens da web Veríssimo (1) Mensagens da web Ninguém é Insubstituivel (1) Mensagens da Web Ou mudamos Ou morremos (1) Mensagens da web Reforma íntima (1) Mensagens da web Saudades (1) Mensagens da web Sugadores de Energia (1) Mensagens Preconceito (1) Mensagens Sofrimento (1) Mensgam de Rubem Alves (1) Mentiras à parte (1) Metamorfose de minha alma (1) Meu desejo é sua vontade. Texto de Mary Cely (1) Meu Mundo particular. BLOG (1) Meu pensamento Celia Macedo (1) Meus apegos (1) Meus Fragmentos (1) Michael Jackson (1) Michelle Trevisani. (1) Miguel Sousa Tavares Web mensagens (1) Minha essência (1) Minha mãe (2) Minha querida mãe (1) Mitologia (1) Mulher...Nordestina! (1) Mulheres belas web Mensgens (1) Namore uma garota que lê Rosemary Urquico (1) Não esta sendo fácil (1) Não se acha nada (1) Não somos perfeitos... (1) Naquele dia tomei um tombo... E aprendi. (1) Natureza (1) Neimar de Barros Deus Negro Poema (1) Nelson Mandela (1) No dia do aniversário (1) Nossa Senhora da Conceição (1) Nossas Escolhas (1) Nota de Falecimento...do BOM SENSO (1) NUNCA DESISTA DE AMAR (1) O amor (1) O amor Martha Medeiros (1) O Barulho da carroça Web mensagens Otimismo (1) O diário inacabado Poema de Rosalina Herai (1) O FOGO E A CORAGEM (1) O GUERRERO DA NÃO-VIOLÊNCIA (1) O MAIS EXTREMO ÓDIO COM O MAIS EXTREMO AMOR (1) O medo do Amor Martha Medeiros (1) O mendigo (1) O pássaro da Luz (Fênix) (1) O PODER DE UM ABRAÇO (1) O PONTO NEGR (1) O que realmente importa? (1) O rancor corta as asas de quem nasceu para ser passarinho " Gi Stadnicki" (1) O rouxinol e a rosa WEb Mensagens (1) O silêncio (1) O Simbolismo da Rosa (1) O tempo (1) O Tempo Vida.Mary Cely (1) O Valor das pequenas coisas web Mensagens (1) Oito Bons Presentes Que Não Custam um Centavo Reflexão (1) Olinda Ribeiro (1) Onde andará o meu Doutor (1) Ontem Hoje e Sempre web mensagens (1) Oração de Mary Cely (2) Orgulho II (1) Os Três Mal-Amados. (1) Oscar Wilde (1) Oscar Wilde Loucos e santos (1) OSHO (4) Osho. Ego (1) Otimismo (1) otimismo em rede (1) Outono(Marla de Queiroz) (1) P E D A L A N D O (1) Paciência Arnaldo Jabor (1) Paixão e Sonhos Celia macedo Mary Cely (1) Palavra Amor é (1) Palavras (1) Palavras ao tempo (1) Palavras ao Vento de Celia (1) Palavras ao Vento. (1) Para refletir (1) Para refletir: Uma boa lição... (1) Para você que tem amigos... (1) Parabéns "renunciar é preciso" (1) Passatempo "Poemas Por Tudo e Por Nada" de Casimiro Teixeira (1) Passeio Socráatico Frei Betto (1) Paulo Coelho (1) Pe:Fábio de Melo (1) PEDAÇOS DE UMA ALMA (1) Pedindo perdão. (1) Pensadores e Pensamentos (1) Pensamento (2) Pensamentos (3) Pensamentos de Mary Cely (1) Pensamentos de Mary Cely Essências (1) Pensamentos V (1) Pense antes de falar Web Mensagens (1) Pequena Rosalina Herai (1) Perdão (2) Perdão de Amigo Errado (1) Perdas (1) Perdoar é permitir que a vida continue (1) Perdoar se perdoando (1) Perdoe-me (1) Perfect (1) Perfumes e Rosas (1) Permita-se Web Mensagens (1) pessoal relato (1) Pior amor ou Amor bandido. (1) PIPOCAS DA VIDA (1) Poderia ser Diferente (1) Poema (1) Poema à Mãe (1) Poema da Rosalina Herai. (1) Poema de docecomomel (hgata) (1) Poema de amor – Colar de pérolas (1) Poema de Celia Macedo (2) Poema de Florbela Espanca (1) poema de Mar Cely Falar de amor (1) Poema de Mary Cely Borboletas (1) poema de Mary Cely Célia Macedo (1) Poema de Mary Cely Indomável Ser (1) Poema de Mary Cely Metade (1) Poema de Mary Cely Meu nome é Saudade (1) Poema de Mary Cely Meus filhos meu rumo (1) Poema de Mary Cely Negro é minha cor (1) Poema de Mary Cely Poesia é teu nome (1) Poema de Mary Cely Que Saudades (1) Poema de Mary Cely Sem pressa (1) Poema de Mary Cely Vem (1) poema de Mary Cely Você minha paixão (1) Poema de Quintana (1) poema de Rosalina Herai (1) Poema de Rosane Silveira Desabafo da alma (1) poema diverso Florbela Espanca (1) Poema diversos Cecilia Meireles (2) Poema do Amigo (1) Poema Mario de Andrade (1) Poema Paixão Bandida Marta Peres (1) Poema para Mary Rimulord (1) Poema Recomeço Thiago RP (1) Poema sensual de Mary Cely Loucuras de amor (1) Poema Sensual de Mary Cely.Louco desejo de te amar (1) Poema Um dia Amei Hilda (1) poema+ texto+videos Vamos dançar (1) Poemas (12) Poemas Aparecida G.telli (7) Poemas Aparecida G.telli. (2) Poemas Convite (1) Poemas da vida (1) Poemas de amizade (1) Poemas de Mary Cely (51) Poemas de Mary Cely A Essência da vida (1) Poemas de Mary Cely Alma Desnuda de um Amor (1) Poemas de Mary Cely Gotas de Saudade (1) poemas de Mary Cely Humildade Sempre (1) Poemas de Mary Cely Mulher Nordetina (1) poemas de Mary Cely O amor e o Luar (1) Poemas de Mary Cely Orvalho da manhã (1) Poemas de Mary Cely Solidão (1) Poemas de Mary Cely Somos um só corpo (1) Poemas de Mary Cely. Meus Momentos (1) Poemas de Mary Cely.Paginas Viradas (1) Poemas de Roberto Leal. (1) Poemas de Roberto Leal.:Abc da vida (1) poemas diversos Fernando Sabino (1) poemas Réu de Amor;J.G de Araujo Jorge (1) Poemeto de Amor Mary Cely (1) Poemeto de Célia Macedo (1) Poemeto de Mary Cely (1) Poeminha do contra Mario Quintana (1) Poeminha Sentimental Mario Quintana (1) Poesia de Edison Gil Eu deixei de Ser (1) Poesia de Mary Cely Mereço ser feliz (1) Poetizando a poesia (1) Poetrix I de May Cely Cores Almiscaradas (1) Poetrix de Mary Cely Agua fonte da Vida (1) Poetrix de Mary Cely Auseência e partida (1) Poetrix II Mary Cely (1) Poetrix Mary Cely A Rubra Rosa (1) Porque ser poeta (1) porque seu amor é fiel (1) Porta Aberta....Sempre (1) Porta aberta.Mary Cely (1) Postagem MIL (1) Posts 1004 (1) Preconceito è Crime (1) Preconceito racial (1) Priscila Rôde (1) Prosa poética Pura Sedução Mary Cely (1) Provérbio chinês (1) Quando educas (1) Que atire a primeira pedra quem não tem defeitos Web Mensagens (1) QUE BLOGUEIRO É VOCÊ? (1) Que é simpatia Casemiro de Abreu (1) Quintana (1) Quintana Poema e Poesias (1) Quintana Quintanares (2) Quintana Sempre Quintanares (1) Rachel de Queiroz (1) Raios de Luz (1) Ratazanas também Amam (1) RECEITA DE ANO NOVO (1) Reciprocidade (1) Reeditando (1) Refletindo...sobre a vida (1) REFLEXÃO (1) Reflexão e Momentos (1) Reflexão Livro da vida (1) Reflexão Perdas (1) Relacionamento amizade amor e companheirismo (1) Relacionamentos (1) Renata Fagundes (1) Renato Russo (1) Renunciar é preciso Reeditando (1) romance (1) Rosalina Herai (1) ROSAS E ESPINHOS... (1) Rubem Alves (1) Rubem Alves: O tempo e as jabuticabas ... (1) S.O.S Rio de Janeiro (1) Salvador (1) Sandices mórbidas (1) Sao sebastião.Homenagens (1) Sartre (1) Saudade Alice Ruiz (1) Saudade Web mensagens II (1) Saudade... (1) Saudades (3) Saudades Acróticos Celia Macedo (1) Saudades Apenas Saudades (1) Saudades de Ti (1) Saudades Ou Falta (1) Sean wilhelm (1) Segredo Secreto (1) Segredos (1) Sem conceitos (1) sem palavras (2) Sem palavras - MIRIAM LEITÃO (1) Sem stress Só Ressaca (1) SEMANA DE COMBATE À EXPLORAÇÃO SEXUAL (1) Sempre Avance (1) Sensual (2) SENTE SAUDADE DOS ANOS 80 (1) Sentimento mal resolvido (1) Sentimentos (2) Sentimentos e Poesias Caio F.Abreu (2) Ser ou não ser (1) Ser criança (1) Ser diferente Artur de Távola (1) Ser e Querer Mary Cely (1) Ser feliz (1) Ser melhor exige tempo... (1) Síndrome de Don Juan (1) Síndrome de Don Juan Posts: I (1) Sinto sua falta. web Mensagens (1) SÓ DÊ OUVIDOS A QUEM TE AMA (1) SOBRE ENVELHECER Web Mensagem Eduardo Quimarães (1) SOBRE O AMOR (1) Sociedade Dos Poetas Morto (1) Socorro fantasmas (1) Solidão (1) Solidão (Célia Macedo) (1) Solidão Francis Bacon (1) Sombra e Luz (1) Soneto de Mary cely Meus olhos tristes (1) Soneto Repentino (1) Sonetos de Mary Cely Paixao e Sonhos (1) Sonetos de Mary Cely Saudades de Amar (1) Sonetos de Mary Cely Sou poetisa sonhadora (1) Sonhose Vida (1) Sou Assim web Mensagens (1) Sou o reverso de mim mesma (1) Subindo pela escala musical (1) Sussurros D'alma. Mary Cely (1) Tati Bernadi Indignação (1) Tati Bernardi (4) Tatoo Buterfly (1) Te Amar é tudo que eu preciso... (1) Tempo (1) Tempo Fabio Junior (1) Tenho medo (1) Texto de Aparecida G.Telli (1) Texto de Mar CelySerá Merecimento? (1) Texto de Mary Cely (3) Texto de Mary Cely A música esconde paixões (1) Texto de Mary Cely Amor Próprio (1) Texto de Mary Cely Dias de Chuva (1) Texto de Mary Cely Indiferente ou Anjo (1) Texto de Mary Cely Nunca jamis desista de seus Sonhos (1) Texto de Mary Cely Perdas e Ganhos (1) Texto de Mary Cely Sonhar é preciso (1) Texto de Mary Cely Sonhos são o que? (1) Texto de Mary Cely Uma declaração de amor (1) Texto de Mary Cely Verbos e povérbios (1) Texto de Mary Cely (Celia Macedo) Cartas de Amor (1) Texto de Mary Cely 13 de maio ...liberdade (1) texto de Mary Cely A dança de meu sonhar (1) Texto de Mary Cely Amizade e Conviniência (1) Texto de Mary Cely Amor de Mulher (1) Texto de Mary Cely anseios Meus Desejos Seus (1) Texto de Mary Cely Carapulça (1) Texto de Mary Cely Cuidando do Jardim (1) Texto de Mary Cely Dando laços...sem Nós (1) Texto de Mary Cely Devaneios Desabafo (1) Texto de Mary Cely Devaneios dos Momentos. (1) Texto de Mary Cely Diga não as drogas .ame-se (1) Texto de Mary Cely Eterno é o Amor (1) Texto de Mary Cely Frgmentos de uma paixão (1) Texto de Mary Cely Meu Conceito ...É... (1) Texto de Mary Cely Meu conceito de perdão. (1) texto de Mary Cely Ressentimentos (1) Texto de Mary Cely S.O.S Meio Ambiente (1) Texto de Mary Cely Sem ganhos...Só perdas (1) Texto de Mary Cely Sol brilho e pessoas (1) Texto de Mary Cely Solidão (1) Texto de Mary Cely Tentando Acertar (1) Texto de Mary Cely Tristeza..Eu sinto (1) Texto de Mary Cely Um Ombro Amigo (1) Texto de MarY Cely Uma carta de desabafo (1) Texto de Mary Cely Vamos a vida que ela é curta. (1) Texto de Mary Cely Viva Amizade (1) Texto de Mary Cely.Medo de seu egoísmo (1) Texto e contexto de Célia Macedo (1) Texto Mary Cely;A vida de todos nós e video. (1) Texto reflexivo (1) Texto web Amor maduro (1) Textos da Web (2) Textos diversos Arnaldo Jabor (2) textos Mary Cely amenidades (1) Tião Carreiro (1) Timidez Cecília Meireles (1) Tô dentro (1) Tô Nem Aí (1) Todo o resto é secundário (1) Tradição dos Ovos de Páscoa (1) traz paz (1) Tristeza (1) Tristeza não tem fim (1) Trocadilhos I (1) Trocadilhos II (1) Trova de Mary Cely Luar (1) TU LEMBRAS DAQUELES GRANDES ESPELHOS... (1) Tudo tem seu preço Web mensagens (1) Um Acaso (1) Um dia (1) Um dia após outro 2ª parte (1) Um dia após outro.Ficção (1) Um dos maiores desafios da vida é acreditar que algo é possível (1) Um Facto (1) Um Pássaro a Morrer (1) UM PÁSSARO QUE POUSOU EM MIM + video (1) Um simples 'obrigado' basta (1) Uma Colisão (1) Uma gota Poema de Mary Cely (1) Valores Jovens e Pessoas. Texto de Docecomomel(hgata) (1) Vamos a Luta (1) Vamos mudar os planos (1) Verbo Ser Carlos Drumond de Andrade (1) Verdadeiras Amizades: (1) Veronica Shoffstall (1) Versos Simples Chimarruts (1) VIAGEM NO TREM Web Mensagens de otimismo (1) Vida (1) Vida Vida Vidinha minha (1) Video (1) Video de Reflexão (1) Video e bla bla de Mary cely (1) Video e letra musica Mary Cely (1) Video Menestrel (1) Video Michel Telõ.Poetrix Você e Eu Mary Cely (1) Video you tube (2) Videos (9) Videos Sensual (1) VideoTiririca Deputado (1) Violência Texto de SOS (1) Vital Farias (1) Vitória Luz (1) Viver de aparências Gi Stadnicki (1) Viver... (1) Voa Voa Meu pássaro Web Mensagens (1) Você (2) Você Amiga (1) Você é o que ninguém vê. (1) web mensagem .Via email (1) web Mensagens Como medir uma pessoa (1) Web Amenidades poemas Quem de Nós? (1) web amenidades pulseiras do amor (1) web bláblá (1) Web Charge (1) web curiosidades Perdoar para renovar (1) web descontração (1) Web diversidade Mistério Misterioso. (1) Web fragmentos (1) Web Mensagem (3) Web Mensagem A garrafa fe Vinho (1) Web Mensagem Marcas da Vida (1) Web Mensagem O Mal de Parkinson (1) Web Mensagem Tratamento Paliativo (1) web Mensagens (21) Web Mensagens Rosas (1) Web Mensagens A folha amassada (1) web mensagens A amante e a esposa (1) Web Mensagens A caricia e o iluminado (1) web Mensagens A Gravidez da Amizade (1) Web Mensagens A Pausa (1) web mensagens Adversidades (1) web mensagens Algumas vezes (1) Web Mensagens Amizade (1) web Mensagens amizades (1) Web Mensagens Arnaldo Jabor (1) Web Mensagens Beijando o Sapo (1) Web Mensagens Bobo Marley (1) Web Mensagens Bullying (1) Web Mensagens Carpinejar Fabricio (1) Web mensagens Conflitos Interiores (1) Web Mensagens Drumonnd (1) Web Mensagens em tempos de Solidão (1) Web mensagens Eu sei (1) Web Mensagens Karla Tabalipa (1) Web Mensagens O sol e o vento (1) Web Mensagens Osho (1) Web Mensagens Otimismo é vital (1) web Mensagens Pablo Neruda Teu riso (1) Web Mensagens Paulo Coelho Reflexão (1) Web Mensagens Perdas e Danos (1) Web Mensagens Porta (1) Web mensagens Quantas vezes (1) Web Mensagens Quem é seu amante (1) Web Mensagens quem somos nós (1) Web Mensagens Reflexo (1) Web Mensagens Saudades (2) web Mensagens saudades II (1) web Mensagens Uma História de Amor Impossível (1) Web Mensagens Universo Umbigo (1) Web mensagens Veríssimo (1) web mensanges (1) web mesnagens (1) Web Mnesagans Vinicius de Morais (1) Web Otimismo (2) web pensamerntos (2) web poemas Ausência Drumonnd sempre (1) Web Reflexão. A bola da Amizade (1) web textos Fernando Pessoa (1) Web Variedades (1) William Shakespeare (1) Yvonne Chaca Chaca África (1) Zíbia Gasparetto (1)
A palavra Psyché, em grego significa borboleta, entendida como sinónimo de alma. A borboleta simboliza a imortalidade da alma: